Acidentes de trabalho: Indemnização ou Pensão?

Advogados acidentes de trabalho

Remição de pensões

 

Por que motivo alguns sinistrados recebem uma indemnização de uma só vez e outros recebem uma pensão vitalícia?

Todos os dias nos colocam esta questão sobre os direitos das vítimas de acidentes de trabalho e, de facto, a resposta é bastante mais simples do que parece.

 

Condições de remição

A indemnização é obrigatoriamente remível (paga de uma só vez) sempre que:

  • A incapacidade permanente parcial (IPP) seja inferior a 30%
  • A pensão anual vitalícia (vencimento anual x 70% x IPP) não seja superior a seis vezes o valor da retribuição mínima mensal garantida (RMMG), em vigor à data da alta ou da morte.

Exemplo:

  1. a) Um trabalhador sofre um acidente de trabalho do qual resulta uma incapacidade permanente parcial para o trabalho de 15% e o seu vencimento anual é de 20.000€.
  • IPP inferior a 30%
  • Pensão anual vitalícia (2.100€) é inferior a 6 vezes RMMG (3.180€)

A remição do capital é obrigatória.

  1. b) Um trabalhador sofre um acidente de trabalho do qual resulta uma incapacidade permanente parcial para o trabalho de 15% e o seu vencimento anual é de 35.000€.
  • IPP inferior a 30%
  • Pensão anual vitalícia (.3675 €) é superior a 6 vezes RMMG (3.180€)

 

O capital não pode ser remido na totalidade, só parcialmente

 

É obrigatoriamente remida a pensão anual vitalícia devida a sinistrado com incapacidade permanente parcial inferior a 30 % e a pensão anual vitalícia devida a beneficiário legal desde que, em qualquer dos casos, o valor da pensão anual não seja superior a seis vezes o valor da retribuição mínima mensal garantida, em vigor no dia seguinte à data da alta ou da morte.

Critérios para pedir a remição parcial

Para garantir uma maior igualdade de direitos entre os sinistrados, a lei 98/2009 de 4 de setembro permite que o sinistrado que não cumpra os requisitos de remição do capital possa pedir uma remição parcial (recebe uma parte do capital por adiantado e o remanescente em forma de pensão vitalícia).

É muito solicitada, por exemplo, no caso das incapacidades permanentes absolutas para o trabalho habitual (IPATH).

Ao abrigo do artigo 75º da lei 98/2009 de 4 de setembro, a pensão pode ser parcialmente remida a requerimento do sinistrado ou do seu beneficiário legal sempre que:

  • Não ultrapasse o capital equivalente ao que receberia se lhe fosse atribuída uma IPP de 30%;
  • A pensão anual sobrante não pode ser inferior a seis vezes o valor da RMMG em vigor à data da autorização da remição;

A única exceção aplica-se aos trabalhadores estrangeiros que podem pedir a remição total da pensão, independentemente da percentagem de incapacidade e da pensão anual, se optarem por deixar definitivamente Portugal e se a entidade responsável pelo pagamento da pensão aceitar a remição total do capital.

 

Direitos não afetados pela remição

  1. O direito às prestações em espécie (cuidados médicos, medicamentos, ajudas técnicas, etc.);
  2. O direito de o sinistrado requerer a revisão da incapacidade;
  3. Os direitos atribuídos aos beneficiários legais do sinistrado, se este vier a falecer em consequência do acidente;
  4. A atualização da pensão remanescente no caso de remição parcial ou resultante de revisão de pensão.

 

 

Para mais informações: 210 963 793 ou info@rpassociados.pt

Comments ( 4 )

  • Fabiana

    Recebi um capital de remissão. Agora estou sem saber se vou continuar a receber. Pois me deram me deram 5/por cento de incapacidade parcial permanente e que eu ia ter uma pensão anual vitalícia vocês poderiam me esclarecer como funciona isso. Obrigado

    • Webmin

      Estimada Fabiana,

      Uma vez que a sua incapacidade permanente parcial era inferior a 30%, a pensão é obrigatoriamente remível. Quer isto dizer que recebe a indemnização de uma só vez, não tendo mais nada a receber. No entanto, a remição do capital não impede que possa pedir uma revisão da incapacidade por agravamento, recidiva ou recaída e eventual atualização da pensão anual. Neste caso, se for possível provar que houve um agravamento da lesão e que a sua IPP é superior a 5%, é calculada a diferença entre o capital que já recebeu e a nova pensão anual correspondente.
      Mais informações sobre o pedido de revisão da incapacidade por agravamento aqui.

  • Armindo candeias Vilhena

    mais uma vêz venho pedir informação sobre o valor que tenho que receber sobre açidente de trabalho que tive .o tribunal na sequençia do açidente decidio valor pensão vitalicia 3.872.30€ ou seja 20.457.30×70/ºx27/º (18/ºx1.5 ) o acidente foi em abril 2012 queria sber quanto vou logo receber e o restante como .obrigado pelo vosso tempo .

    • RP Associados

      Estimado Armindo,

      Não entendemos a sua questão… Se o acidente foi em 2012, já está a receber a pensão certamente ou recebeu a indemnização de uma só vez.
      Sendo a pensão anual vitalícia de 3.872,30€, esse valor é dividido por 14 e recebe a quantia proporcional todos os meses. Se houve remição do capital, recebeu a indemnização num só pagamento.
      A partir do momento em que aceitou estas quantias em 2012, agora não tem mais nada a receber, só se se provar que houve um agravamento da lesão.

      Para mais informações: 210 963 793

Adicione um comentário

Advogados especializados

Advogado Ricardo Lucas
Ricardo Lucas

Responsabilidade Civil e Direito dos Seguros, Direito Administrativo, Societário e Comercial, Direito da Família e Sucessões, Direito do Trabalho e Segurança Social.

Advogado Teresa Peixoto
Teresa Peixoto

Direito do Trabalho e Segurança Social, Responsabilidade Civil e Direito dos Seguros, Direito Fiscal e Penal Fiscal, Imobiliário e Arrendamento.

Newsletter